Pesquisar

Carregando...

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

Educação vem de casa!


Verminoses - Ciclos




domingo, 6 de fevereiro de 2011

Os Seres Vivos

Os seres vivos, em 47 dicas. - Os Seres Vivos


1. Entre os seres vivos, constituídos por células, os mais primitivos são os Archaea, seres extremófilos que compreendem os microrganismos anaeróbios mais sensíveis ao oxigênio, os termófilos mais extremos e halófilos cujas enzimas são adaptadas a elevadas concentrações salinas; eles se alimentam de hidrogênio, compostos sulfúricos, manganês e outros metais pesados e dispensam totalmente a fotossíntese e a luz solar como fonte de energia. As bactérias e as algas azuis, cianobactérias, também seres procariontes, com um núcleo desprovido de carioteca (isto os incluía no reino Monera), são incluídos no domínio Bacteria. A maioria dos novos esquemas taxonômicos tendem a abandonar o reino Monera e a tratar Bacteria e Archaea como domínios, conjuntos de reinos, separados.

2. O Reino Protista também é constituído por seres unicelulares, mas eucariontes, com os núcleos diferenciados, revestidos por uma carioteca. Seus principais exemplos são os protozoários e as demais algas, unicelulares e pluricelulares.

3. Os fungos são constituídos por filamentos aclorofilados denominados hifas que constituem um conjunto denominado micélio; alguns fungos não produzem um micélio e consistem numa única célula (leveduras). A obtenção de alimento efetua-se por absorção através das paredes das células, pelo que os elementos nutritivos devem estar em forma de solução. Contribuem com a natureza, na reciclagem da matéria no seu papel de agente decompositor, e com o homem, na biotecnologia, quando usados na produção de bebidas (vinho e cerveja), combustíveis (fermentação alcoólica), alimentos (pão) e medicamentos (antibióticos). Apresentam uma parede celular rica em quitina, substância presente no exoesqueleto dos artrópodos, e acumulam glicogênio como substância de reserva, duas características típicamente animais. Atualmente este grupo é classificado num Reino separado, o Reino Fungi.

4. Os vegetais reproduzem-se por metagênese e apresentam uma fase sexuada, sempre haplóide, o gametófito e uma fase assexuada, sempre diplóide, o esporófito. Nos vegetais sem vasos de condução, as Briófitas, predominará o gametófito enquanto que nos vasculares, Pteridófitas e Fanerógamas, predominará o esporófito. Uma boa regra nos diz que quanto mais evoluído for o vegetal mais desenvolvido será o esporófito, diplóide, e mais reduzida será a fase gametofítica, haplóide; nas plantas com flores um bom exemplo de gametófito é o tubo polínico.

5. As Briófitas, os musgos e as hepáticas, apresentam um gametófito duradouro formado por rizóides, um caulóide e filóides clorofilados sobre o qual desenvolver-se-á um esporófito reduzido, filamentar e aclorofilado que viverá como um parasita as custas do esporófito.

6. As Pteridófitas, como as samambaias e o xaxim, são conhecidas pelo esporófito visível que utilizamos em decoração ou para fazermos vasos para o plantio de outros vegetais constituído por raízes, caule e folhas com vasos de condução (as primeiras traqueófitas na evolução vegetal) que lhes permitiu crescer em altura; o gametófito - protalo - tem menos de 1 milímetro e não é conhecido pela população em geral.

7. As Fanerógamas incluem as plantas que possuem flores e são capazes de produzirem sementes; herdaram a vascularização das pteridófitas e seus esporófitos são conhecidos como ervas, arbustos e árvores. As Gimnospermas, como o pinheiro, a araucária , cycas e ginkgo, apresentam sementes nuas das quais o pinhão é um ótimo exemplo; não formam frutos. As plantas com frutos, as mais numerosas do planeta nas condições atuais, são incluídas nas Angiospermas que são divididas em Monocotiledôneas e Dicotiledôneas.

8. As Monocotiledôneas são geralmente ervas a exceção das palmeiras, únicas árvores, porque o caule não apresenta câmbio e não cresce em diâmetro, raízes são fasciculadas, suas flores são trímeras, as folhas são paralelinérveas e não apresentam pecíolo e as sementes apresentam uma única folha modificada que armazena reservas denominada cotilédone.

9. As Dicotiledôneas possuem raízes axiais, caule com câmbio que produzirá, a partir do início do segundo ano de vida, anéis de xilema e de floema que irão aumentar seu diâmetro , flores dímeras, tetrâmeras ou pentâmeras, folhas retinérveas ou peninérveas com pecíolo mas a bainha estará ausente ou reduzida e sementes com 2 cotilédones facilmente identificáveis quando retiramos a casca de uma semente de feijão, amendoim ou ervilha.

10. Os meristemas são os únicos tecidos vegetais a dividir-se por mitoses originando a si próprios e aos demais tecidos. Os meristemas primários alongam ao vegetal enquanto que os meristemas secundários aumentam a espessura de raízes e caules com mais de um ano de vida.

11. No caule e na raiz o início do aumento em diâmetro rompe e elimina a epiderme que é então substituída pelo súber, popularmente chamado cortiça, produzido por divisões do felogênio, meristema secundário “da casca”. Internamente, divisões do meristema secundário chamado câmbio originarão anualmente camadas de xilema e floema, os tecidos encarregados da condução.

12. Os tecidos vegetais são vivos ou mortos e isto dependerá da composição química da sua parede celular. Os meristemas, a epiderme, o colênquima, o floema e os parênquimas são tecidos vivos, flexíveis, com uma parede celular permeável constituída por celulose ou um isômero da mesma. O súber, o esclerênquima e o xilema são tecidos mortos na maturidade, rígidos, com paredes celulares impermeáveis constituídas por suberina ou lignina.

13. Entre outros anexos a epiderme poderá apresentar acúleos e espinhos. Os acúleos são superficiais, projeções pontiagudas da parede celular das células da epiderme e destacam-se facilmente, como se observa na roseira; os espinhos provêm dos tecidos internos, como os vasos de condução, e são dificilmente destacáveis, como se observa na laranjeira.

14. O homem é um grande consumidor de caules subterrâneos: a batata inglesa é um tubérculo, de crescimento limitado, acumulador de amido num parênquima de reserva e com brotos (meristemas) na sua superfície enquanto a cebola é um bulbo, caule revestido por folhas modificadas denominadas catáfilas (as “escamas”).

15. As raízes geralmente apresentam um geotropismo positivo, crescendo em direção ao centro da terra. Em pântanos encontramos plantas (Avicenia) com raízes com geotropismo negativo, as raízes respiratórias ou pneumatóforos, que buscam ar acima da superfície da água.

16. Os movimentos vegetais podem ser classificados como tactismos, tropismos e nastismos. Teremos tactismos quando forem movimentos de todo o organismo como observamos em algas que buscam um ótimo de luminosidade aproximando-se ou afastando-se da superfície das águas conforme a hora do dia. Tropismos e nastismos são movimentos de órgãos; os tropismos dependem da direção do estímulo (caule que se curva para luz que penetra pela janela) enquanto os nastismos dependem da intensidade do estímulo (“Onze horas” abrindo as flores quando a luz do dia é mais intensa).

17. A banana é um fruto partenocárpico, sem sementes, porque provém do desenvolvimento do ovário da flor sem ter ocorrido a fecundação dos rudimentos seminais ou “óvulos”.

18. A maçã e a pêra são pseudofrutos porque a parte comestível não provém do desenvolvimento do ovário da flor e sim de outra região da mesma; nestas frutas comemos o receptáculo floral desenvolvido.

19. No morango a parte vermelha que comemos é o receptáculo floral que se desenvolveu; os verdadeiros frutos são os pontos pretos (aquênios) que se desenvolveram a partir dos vários ovários de uma mesma flor.

20. Teremos um fruto verdadeiro quando ele for produto do ovário único de uma só flor que se desenvolveu após a fecundação do rudimento seminal ou “óvulo” que originou a semente . Entre os frutos carnosos teremos como mais comuns a baga (o tomate, sem caroço) e a drupa (o pêssego, com caroço pois a semente terá um revestimento rígido).

21. Cada grão de arroz é um fruto seco, com uma só semente completamente aderida ao pericarpo, denominado grão ou cariopse. Não utilize grão para o feijão do qual comemos as sementes retiradas do interior de um outro fruto seco, multisseminado, denominado legume ou vagem. Assim, um prato de arroz com feijão contém duas angiospermas, o arroz que é uma monocotiledônea da qual comemos os frutos e o feijão que é uma dicotiledônea da qual comemos as sementes.

22. Nos animais o primeiro critério de classificação é a presença ou a ausência de tecidos formando órgãos. Os animais sem tecidos que formem órgãos são denominados parazoários e isto descreve aos pertencentes ao filo Poriphera. Os demais animais possuem tecidos verdadeiros, formando algum tipo de órgão, e são denominados eumetazoários (confira na imagem).

23. O segundo critério, utilizado para subdividir os eumetazoários, é a simetria que corresponde a possibilidade de dividi-los, imaginariamente, em partes, uma a imagem da outra. Um bom exemplo de simetria são as mãos. Os animais mais primitivos possuem simetria radial pois podemos dividi-los, por vários planos, sempre em metades uma a imagem da outra como resultado de sua forma que lembra um cilindro. Eumetazoários com simetria radial a vida inteira descreve os animais do filo Coelenterata ou Cnidaria, como a Hydra e as Obélias que constituem um magnífico exemplo de reprodução por metagênese (alternância de formas de reprodução ou de gerações). Os corais são colônias e somente apresentam pólipos.

24. Eumetazoários com simetria bilateral, ao menos numa fase da vida, inclui todos os animais menos os Poriphera e os Coelenterata. Assim, a maioria dos animais somente pode ter o seu corpo dividido por um plano em “dois lados” um a imagem do outro.

25. Para subdividir os animais de simetria bilateral, todos triploblásticos, utilizamos o tipo de cavidade embrionária. Os acelomados não apresentam nenhuma cavidade entre a ectoderma, mesoderme e endoderme e isto identifica animais do filo Platyhelminthes. Os pseudocelomados possuem uma cavidade embrionária entre a mesoderme e a endoderme e isto descreve aos animais do filo Aschelminthes cujo principal exemplo são os nematódeos, como a lombriga. Os celomados possuem uma cavidade embrionária completamente revestida por mesoderme e é fácil lembrá-los pela frase “ama e cor”, anelídeos, moluscos, artrópodos, equinodermas e cordados .

26. Subdividimos os celomados utilizando como critério a origem da boca. Anelídeos, moluscos e artrópodos são protostômios pois a boca origina-se do blastóporo, abertura superior da gástrula e, portanto, já estava diferenciada no início do desenvolvimento embrionário. Equinodermas e cordados são deuterostômios pois neles a boca não provém do blastóporo.

27. Os anelídeos, minhocas, poliquetas e sanguessugas, possuem como característica exclusiva a segmentação ou metamerização homônoma; a mesma unidade repete-se em todo o corpo.

28. Os moluscos são os únicos animais revestidos por um manto, tecido de revestimento capaz de produzir uma concha. Incluem os gastrópodos, como lesmas e caracóis, os bivalvos ou Pelecípodos, como ostras e mexilhões, e os cefalópodos como polvos, lulas e o Nautilus. A exceção dos bivalvos apresentam milhares de dentículos na faringe formando uma estrutura de trituração denominada rádula.

29. Os artrópodos constituem o maior filo do reino Animal e são os únicos com um exoesqueleto quitinoso que deve ser trocado periodicamente num fenômeno denominado de ecdise. Os exoesqueletos antigos, abandonados pela excessiva rigidez que impedia o crescimento, são denominados exúvias.

30. A principal subdivisão dos artrópodos é a Classe Insecta cujos integrantes tem o corpo dividido em cabeça, tórax e abdome; na cabeça temos um par de antenas, o tórax, com 3 segmentos apresenta 3 pares de patas e o abdome caracteriza-se pela presença dos órgãos de reprodução. Respiram por traquéias que conduzem o ar diretamente a cada célula e excretam pelos tubos de Malpighi que lançarão no intestino ácido úrico, cristalino e sólido, para ser eliminado junto com as fezes, sem a utilização de água.

31. Os artrópodos da classe Arachnida são áceros, sem antenas, quelicerados e possuem 4 pares de patas enquanto os Crustacea são tetráceros, com dois pares de antenas, mandibulados e possuem geralmente 5 pares de patas toráxicas para a locomoção e apêndices birremes abdominais denominados pleópodes para a natação.

32. Os Equinodermas, todos marinhos, como estrelas-do-mar, ouriços do mar e pepinos do mar, são os únicos animais a apresentarem uma variação de simetria em períodos diferentes da vida, bilateral nas larvas e radial nos adultos , e também os únicos a apresentarem um sistema vascular aqüífero ou sistema ambulacral, um conjunto de canais percorridos por água que intervém em várias funções, como a circulação, a respiração, a excreção, a locomoção e a proteção interna.

33. Equinodermas e Cordados são os únicos filos animais celomados, deuterostômios e dotados de um endoesqueleto.

34. Os Cordados possuem com exclusividade uma neurocorda dorsal de origem ectodérmica, fendas branquiais pares na faringe do embrião (no homem originarão as cordas vocais), uma notocorda com função de sustentação embrionária e um coração ventral.

35. Cordados e Vertebrados não são sinônimos. Os vertebrados constituem uma subdivisão (subfilo) dos Cordados incluindo aqueles animais onde a notocorda regride e é substituída primeiro pela coluna e depois desenvolve-se o restante do esqueleto.

36. Outros subfilos dos Cordados são Cephalocordata que inclui o Anfioxo onde a notocorda persistirá a vida inteira da cabeça a cauda e o subfilo dos Urochordata, que inclui as ascídias e demais tunicados , que apresentam notocorda somente na cauda das larvas.

37. Uma maneira correta de subdividir os Vertebrados é dizer que eles apresentam 7 classes atuais: os Agnatha, as lampréias e feiticeiras, que não apresentam mandíbulas e sim uma grande ventosa oral; os Chondrichthyes ou peixes cartilaginosos cujos principais representantes são os tubarões e as raias; os Ostheichthyes ou peixes ósseos com um opérculo móvel revestindo as fendas branquiais; os Amphibia com uma pele lisa, nua e permeável que permite uma respiração cutânea; os Reptilia onde surge a queratina revestindo a epiderme e a impermeabilizando parcialmente e o ovo amniota com casca calcárea e um âmnios (bolsa d’água) que protege o embrião da desidratação e de choques traumáticos; as Aves com seus ossos pneumáticos, penas e sacos aéreos ligados aos pulmões que não só refrigeram os organismos como os ajustam ao vôo e os Mamíferos com seus pelos e glândulas mamárias.

38. Os Chondrichthyes ou peixes cartilaginosos possuem 5 a 7 pares de fendas branquiais externas, minúsculas escamas placóides, uma boca ventral apropriada ao predatismo e uma nadadeira caudal heterocerca, com um raio bem mais desenvolvido que o outro, e uma válvula em espiral no intestino para ampliar sua capacidade de digestão e absorção.

39. Nos Ostheichthyes que incluem a maioria dos peixes atuais não vemos as fendas branquiais porque são revestidas por uma placa óssea móvel denominada opérculo que move-se de acordo com o teor de gás carbônico na circulação. Apresentam escamas visíveis ciclóides ou ctenóides, uma boca frontal e uma nadadeira caudal homocerca com dois raios praticamente do mesmo tamanho.

40. Os Amphibia, justificando o nome “dupla vida” apresentam uma fase larval aquática, os girinos, que respiram por brânquias externas e possuem uma longa cauda e uma fase adulta com respiração cutânea e pulmões ineficazes, pela ausência de costelas. A cauda sofre uma autofagia nos Anuros (rãs e sapos) e mantém-se nos Urodelos (as salamandras).

41. Os répteis representam os Vertebrados que efetivamente conquistaram os continentes pois herdaram características que evitavam a desidratação e exigiam pouca quantidade de água para sua manutenção e sobrevivência no processo de seleção natural: pele revestida por queratina continuamente pelo Golgi das células da epiderme e o acúmulo da mesma para formar escamas ou placas ósseas, combinada a outros elementos químicos, presença de pulmões funcionais pela presença de costelas que permitem dilatar o tórax, diminuir a pressão interna e inspirar e expirar com eficiência, o ovo amniota protegendo a embriões e fetos e uma excreção de resíduos nitrogenados sob forma de ácido úrico, cristalino e sólido. Os maiores representantes foram os dinossauros.

42. A partir dos répteis o processo de evolução faz surgir as Aves e os Mamíferos que por terem um ancestral em comum herdam uma série de características comuns: a pele revestida por queratina que se diferencia em penas ou pêlos, o ovo amniota (entre os mamíferos no Ornitorrinco e no Equidna), o coração com 4 cavidades (2 aurículas e dois ventrículos), uma circulação dupla e completa e uma homeotermia ou endotermia que permite manter a temperatura independentemente das variações do meio externo.

43. As aves são animais tetrápodos com o primeiro par modificado em asas ou excepcionalmente ausente (kiwi), pele revestida por queratina e penas, coração com 4 cavidades, homeotermos, com ossos pneumáticos ligados a sacos aéreos e com a capacidade de voar aquelas que possuem o esterno em quilha (carinatas).

44. Os Mammalia apresentam o corpo revestido por pelos e queratina, são homeotermos, com o coração dividido em 4 cavidades, um diafragma completamente muscular separando o tórax do abdome e auxiliando na eficiência da respiração e glândulas mamárias bem desenvolvidas nas fêmeas.

45. Os mamíferos mais primitivos, endêmicos da região australiana, são os monotremados ou prototérios, dos quais sobrevivem hoje somente o ornitorrinco e o equidna; são ovíparos, possuem uma cloaca, um bico córneo que os assemelha as aves e uma homeotermia imperfeita que os assemelha a certos répteis primitivos.

46. Os mamíferos marsupiais ou metatérios, como o canguru, o koala, diabo da Tasmânia (Taz), o gambá e o opossum desenvolvem uma placenta rudimentar e apresentam como conseqüência uma gestação em 2 etapas que se inicia no útero e completa-se numa dobra da epiderme do abdome da mãe, o marsúpio (bolsa).

47. A maioria dos mamíferos, entre eles o homem, pertencem a subclasse dos placentários ou eutérios, animais onde a gestação ocorrerá totalmente no útero materno e, ao nascerem, somente diferem do adulto em volume corporal e maturidade sexual.

Reino Animal

Os Poríferos

Representante : Esponja ( animal séssil , que tem o corpo coberto de poros ) .
São considerados parazoas : animais fora do padrão normal , sem órgãos , boca ou anus . Não possuem tecidos verdadeiros , as células formam um aglomerado trabalhando de forma integrada .
Célula típica : Coanócito .
A digestão e somente intracelular .
Animal filtrador , retira o alimento filtrando a água do mar , a água entra pelos poros , (com O2 e alimentos ), cai na cavidade e sai pelo osculo ( com O2 e excretas ).
Parede externa : pinacócito - revestimento
• Porócito : forma poros .
• Amebócitos : gametas na época de reprodução.
Estrutura esquelética entre as paredes interna e externa ( ha espículas e rede de espongina).
Mesênquima : material entre os pinacócitos e Coanocito , onde se localizam as espículas.
Tipos básicos : ascon , sicon e leucon .

Reprodução :
Assexuada : devido a sua grande capacidade de regeneração , por brotamento ou gemulação .
Sexuada : Os amebócitos se diferenciam em óvulos e espermatozóides . A fecundação ocorre geralmente na parede . Da fecundação surge uma larva ( desenvolvimento indireto e interno ) . A natureza evita auto fecundação - os gametas amadurecem em épocas diferentes .
Não é nem diblástico nem triblástico .
Utilidade : usada como bucha de banho.
Os celenterados :
Representantes:
Hydrozoa: hidras e caravelas;
Scyphozoa: águas-vivas;
Anthozoa: corais e anêmonas do mar.


Diblástico
Órgão verdadeiro : boca , cavidade gastrovascular ( circulação , digestão extra celular seguida de intracelular ) - aparelho digestivo incompleto .
Sistema nervoso difuso .
Presença de célula sensorial ( cnidoblastos - célula típica ) . Esta célula , através da ingestão de um filamento de substância urtigante , consegue capturar alimento e se defender .
Gastroderme ( reveste cavidade ) : é um epitélio secretor , produz enzimas .
Não ha excreção : sistema separado do digestivo .
Respiração : por difusão .
Representantes : pólipos ( sesseis ) e medusas ( flutuantes ).
Reprodução :
Por brotamento , regeneração ou estrobilação ( fatiamento do pólipo - alternância de gerações - metagenese ) .
Sexuada : fecundação interna , desenvolvimento indireto .
Simetria radial , diblástico , tubo digestivo incompleto .
Filo Platelmintos

Novidades evolutivas:
• Mesoderme (triblástico) - tecido muscular / tecidos conjuntivos
• Acelomado
• Protostômo: tubo digestivo com uma abertura
• Sistema nervoso ganglionar ( entre o difuso e o cefalizado ) formado por gânglios nervosos.
• aglomeração de neurônios
• órgão sensorial - Ocelos - Aurícula

Célula excretora: ( Célula Flama)
• Retira excretas nitrogenadas dos tecidos
• Planária - Percebe sombra e luz - fotorreceptor
• Aurícula - percebe substâncias Quimiorreceptor

Classe Cestoda




Taenia solium e
Taenia saginata
• Modo de vida : Endoparasita
• Corpo : com uma cabeça ( escolex ) e segmentos (proglotes ) .
• Epiderme : Epitélio com cutícula protetora .
• Órgãos externos especiais : ventosas , e as vezes , ganchos de quitina .
• Sistema digestivo : ausente
• Sexo : Hermafrodita
• Desenvolvimento : Indireto , com larvas .
• Doença : teníase e Cisticercose .
• Teníase : A pessoa ingere o cisticerco , na carne ma cozida . A larva se desenvolve no intestino e realiza a autofecundação.


Classe Turbelária : vida livre na água;
• Representante : planaria .

Classe Trematoda :
• Parasitas
• Representantes : Schistosoma mansoni , Fasciola sp.

Ciclo Reprodutivo do Schistosoma :

Shistosoma mansone
Parasita intestino/fígado/baço
Doença: Esquistossomose ( Barriga d’água)
Ventosa - boa adaptação da vida parasitária
Dimorfismo sexual - sexos distintos

Profilaxia (prevenção):
• Saneamento básico
• Rede de esgoto
• Tratamento da água
• Coleta de lixo
• Não utilizar água parada
• Tratamento das pessoas contaminadas
• Controle biológico dos caramujos

Sintomas :
Aguda -
• Mal estar
• Cansaço
• Problemas gastrointestinais
• Fezes com muco, sangue e cólicas
Crônica -
• Barriga d’água

Asquelmintos: (Nematelmintos )
Novidades evolutivas : Pseudocelomados
protostômios ( Tubo Digestivo completo ) .
Simetria bilateral .
Sistema Excretor ( célula em H ) .
Sistema nervoso ganglionar .
Digestão extra e intracelular .
A maioria e dióica .
Retira as excretas do Pseudoceloma.
Doenças causadas por asquelmintos :
Ascaridíase : Ascaris lumbricoides
Sintomas : Bronquite , complicações pulmonares , convulsão , cólicas , enjôo , obstrução intestinal .
Transmissão : Via oral , pela ingestão de ovos .
Profilaxia : Higiene pessoal , uso de sanitários .

Dermatite serpiginosa : Ancylostoma brasilienses
Sintomas : Parasita anormal do cão . Parasita acidental da pele humana , onde causa plurido e infecção .
Transmissão : As larvas penetram na pele .
Profilaxia : Evitar o contato da pele com a areia das praias freqüentadas por cães .
Oxiuriose ( Enterobiose ) : Enterobius vermiculares
Sintomas : Forte irritação e plurido anal , distúrbios intestinais .
Transmissão : ingestão de ovos .
Profilaxia : higiene pessoal.
Elefantíase ( filariose ) : Wuchereria bancrofti
Sintomas : Linfagite , linforragia , edema nas pernas , seios e saco escrotal .
Transmissão : Pela picada do pernilongo ( díptero ) Culex fatigans .
Profilaxia : Destruição dos insetos .

Ancylostomose ( opilação , amarelão ) : Ancylostoma duodenale
Sintomas : ulcerações intestinais , diarréia , anemia profunda , enfraquecimento , geofagia ( habito de comer terra ) .
Transmissão : As larvas rabolitóides penetram na pele .
Profilaxia : Uso de calçados e sanitários .
Os ANELÍDEOS :
• Celomados
• Simetria bilateral
• triblástico
• protostômio
• Sistema digestivo completo ( boca e anus )
• Sistema nervoso ganglionar - ventral
• Sistema excretor com nefrídeos
• Sistema circulatório fechado
• Sistema respiratório cutâneo ou branquial
• Sistema reprodutor desenvolvido
Classes :
Oligoquetos : existência de pequenas cerdas de quitina ao longo do corpo que auxiliam na locomoção . Ex: minhocas , minhocuçu .
Poliquetos : Representam os anelídeos de água salgada dotados de projeções laterais denominadas parapódios onde são encontradas numerosas cerdas . A cabeça e diferenciada possuindo olhos e tentáculos especializados para tato e olfato . A respiração pode ser cutânea ou branquial e os sexos são separados . No desenvolvimento embrionário , observamos uma fase larvaria ciliada denominada trocofora . Ex : nereis , eunice ( verme palolo ) , tubícolas , etc.
Hirudíneos : São vermes aquáticos ou terrestres de corpo achatado dorso - ventralmente . Possuem sempre uma grande ventosa posterior , e algumas vezes , uma anterior . Podem ser parasitas ou predadores e apresentam nenhum tipo de cerdas . Respiração cutânea , hermafroditas ( monóicos ) e desenvolvimento direto. * O nome vem de hirudina (substância anti-coagulante presente na saliva de alguns representantes . Ex : sanguessugas .
A minhoca :
corpo coberto por cutícula de quitina
sob a epiderme , apresenta 2 camadas de musculatura , uma circular , outra longitudinal.
tiflossole : prega longitudinal do intestino que aumenta a superfície de absorção de alimentos.
Respiração cutânea : troca de gases através da pele.
Fecundação cruzada .

Anelídeos - complementação :

Ao contrário dos asquelmintos, os anelídeos são vermes segmentados. Podem ser terrestres (minhocas), marinhos (poliquetos) e dulcíolas (Sanguessuga).
Uma importante característica do grupo é a presença do celoma. O celoma é todo delimitado por epitélio de origem mesodérmica, uma camada epitelial envolve o intestino. O celoma funciona como um verdadeiro “esqueleto hidrostático” que dá firmeza ao corpo do verme.

Grupos de Anelídeos
Existem três classes de anelídeos: Oligoquetos, Poliquetos e hirudíneos.

Oligoquetos
Os Oligoquetos constituem o grupo das minhocas. O nome se refere à existência de pequenas cerdas de quitina na região ventral ao longo do corpo, que auxiliam na locomoção.
As minhocas vivem em solo úmido, rico em restos orgânicos de várias origens, dos quais se alimentam.
- Na busca de alimento elas escavam galerias na terra promovendo um bom arejamento do solo.
- Ao defecarem, eliminam especialmente restos de vegetais parcialmente triturados, misturados à terra ingerida que passou pelo tubo digestivo. Esse material é chamado de húmus de minhoca, é rico de minerais , especialmente cálcio, sendo portanto excelente adubo.
- Numa atividade incessante, as minhocas reciclam as camadas do solo e melhoram sua granulação, tornando-o menos compacto e mais propício para o uso agrícola.

Poliquetos
Os poliquetos são ativos predadores que nadam livremente, ou vivem enterrados na areia ou no interior de tubos que eles mesmos constróem.
Em cada segmento corporal, eles tem um par de expansões laterais, os parapódios, onde se prendem tufos de cerdas que funcionam como remos para a natação.
Hirudíneos
Este grupo é constituído pelas sanguessugas que não possuem cerdas e são hermafroditas. (Monóicas). Ela vivem em água doce e se alimentam do sangue de vários vertebrados, fixando pelo meio das ventosas.
A hirudina é uma substância produzida em suas glândulas salivares que é anticoagulante de importância farmacêutica .
As minhocas - estrutura e função
O corpo das minhocas é cilíndrico, alongado com dezenas de anéis, no terço anterior do corpo mostra o clitelo, grupo de segmentos de uma cor mais clara.
A epiderme é um epitélio simples, com glândulas mucosas, recoberta por uma fina cutícula de quitina permeável. Sob a epiderme fica dois tipos de musculatura, uma longitudinal e a outra circular.
O sistema digestivo é completo. Na sua porção inicial, há um papo e uma moela que respectivamente armazena e tritura os alimentos.
O sistema circulatório é fechado, pois os vasos sangüíneos apresentam total continuidade no interior dos tecidos.
A respiração é cutânea, ou seja, a troca de gases ocorre através da pele, que, por isso, deve ser mantida úmida. Nos poliquetos ao contrário, possuem brânquias ramificadas na região dorsal dos parapólios, ou agrupadas em círculos na cabeça.
A excreção feita por nefrídios, havendo um par por segmento. Ele recolhe a excreção do liquido celomático e elimina por um canal que termina em um poro ventral.
O sistema nervoso é glanglionar. Há um glânglio cerebral e outro subfaríngeo, ligados ao anel nervoso ao redor da faringe.
Nos anelídeos, há células táteis e foto e quimioreceptoras, dispersas no epitélio. Os poliquetos têm olhos bem desenvolvidos.
Reprodução
As minhocas são hermafroditas (Monóicas) e a reprodução é apenas sexuada. Após a separação dos dois vermes em troca, ocorre em cada um a eliminação dos óvulos pelos poros femininos. A fecundação é externa.
Os Artrópodes
Introdução:
Os artrópodes atuais vivem no fundo dos mares como camarão e lagosta, ou fixos, como as cracas. Há muitas espécies de água doce, especialmente os crustáceos e alguns insetos, mas o maior número delas é terrestres, bem adaptadas aos campos, desertos e matas tropicais.
Os artrópodes têm grande importância médica e parasitológica, caso dos produtores de toxinas; dos parasitas de plantas e de animais; e dos transmissores de parasitas para o homem.
Características: Os artrópodes podem ser caracterizados como animais de simetria bilateral, segmentados, protostômios, triblásticos e celomados, o que, como já vimos, ocorre também com os anelídeos. No entanto, duas novidades surgem no grupo: um esqueleto externo de quitina e os apêndices ou extremidades articuladas.
O esqueleto, uma “armadura externa”: O esqueleto externo, ou exoesqueleto, envolve o esqueleto e as apêndices dos artrópodes como uma armadura. Seu principal constituinte é a quitina. Essa substância, além de conferir proteção sustentação mecânica é também um excelente eficiente isolante, evitando a desidratação nas espécies terrestres.
O problema do crescimento foi resolvido pela ocorrência das mudas ou eclises. Na maioria dos artrópodes, o exoesqueleto velho se rompe por uma fenda longitudinal no dorso ou nos lados do corpo, sendo abandonado pelo animal. No início a casca é bastante mole permitindo que o animal cresça essa fase porém é rápida pois ele fica desprotegido, à mercê dos predadores.
Apresentamos a seguir as cinco classes de artrópodes: insetos, crustáceos, aracnídeos, quilópodos e diplopodos.
Os Insetos
A excepcional capacidade de adaptação levou-os a ocupar praticamente todos os ambientes, exceto os mares. Dentre outras características, o desenvolvimento do sistema nervoso de órgãos sensoriais, a organização social de alguns grupos foram um dos fatores que permitiram o sucesso evolutivo.
Os insetos cumprem um importante papel ecológico nos ecossistemas: polinizam as plantas, servem de alimentos a outros animais e até produzem alimentos como o mel. Causam prejuízos a lavoura, com predação e parasitismo. Além de serem parasitas para animais domésticos e para o homem.
Morfologia externa
O corpo dos insetos é marcadamente subdividido em três partes: cabeça, tórax e abdome, cada uma delas apresentando vários segmentos.
Na cabeça há sempre duas antenas. Ventralmente há um aparelho bucal, constituído por três peças, adaptado a diferentes modo de captar e preparar o alimento para ser dirigido.
• Aparelho triturador
• Aparelho picador
• Aparelho sugador
• Aparelho lambedor
O tórax tem três segmentos, cada uma seles com um par de patas. Por isso se falam em insetos hexápodos.
O abdome é simples, sem apêndices e pode apresentar na região terminal o ovopositor, para a postura dos ovos. Aí também localiza-se o “ferrão” das abelhas e vespas. Ventralmente, em cada segmento, são observados pequenos pontos laterais no abdome (estigma ou espiráculos), que são as aberturas dos órgãos respiratórios.
Morfologia interna
Os insetos tem sistema digestivo completo, com boca, faringe, glândulas salivares, papo estômago químico, estômago mecânico (proventrículo), intestino e ânus. No estômago químico desembocam vários cecos, tubos fechados que produzem enzimas digestivas.
O sistema circulatório é do tipo aberto (lacunoso), pois do coração saem alguns vasos que terminam em lacunas. O coração é um tubo muscular longitudinal dorsal.
A respiração é feita por traquéias é portanto uma grande rede de canais associados a sacos aéreos, que permite uma difusão livre, direta dos gases respiratórios para dentro das células.
A excreção é feita por túbulos de malpighi. Em toda a extensão, as paredes destes túbulos removem excretas das lacunas corporais. na luz deles precipitam cristais de ácido úrico, que são arrastados com líquidos até o intestino e expulsos misturados as fezes.
O sistema nervos é representado por vários gânglios concrescidos, localizados na cabeça, formando uma grande massa cerebral.
Reprodução
A reprodução é sexuada. É comum o dimorfismo sexual. A fecundação é interna. Podemos definir três tipos de desenvolvimento, que são critérios usados na classificação:
Ametábulos - insetos sem larva; portanto não sofrem metamorfose. Ex: traças.
Hemimetábulos - com metamorfose parcial, pois o inseto jovem já é semelhante ao adulto. Ex: gafanhoto e barata.
Holometábulos - com metamorfose total. Há as seguintes fases de vida: ovo, larva, pupa e imago (adulto).
Os Crustáceos
A grande classe dos crustáceos possuem espécies especialmente aquáticas, embora alguns vivam em terra úmida, como é o caso dos tatuzinhos de jardim.
O nome do grupo vem de crusta pois o esqueleto é normalmente muito duro, com forte impregnação calcária.
As extremidades articuladas são bífidas, bifurcadas, isto é, têm basicamente dois ramos um externo (exopodito) e um interno (endopodito) com uma série de artículos cada um. O copo apresenta um cefalotórax resultante da união da cabeça e do tórax. .
Grupos de crustáceos
Os entomostráceos, mais primitivos, e os crustáceos superiores são dois grupos que estudaremos.
Nos entomostráceos merecem a citação duas importantes ordens, os copepódos e os cirrípedes.
Os Copepódos e os Cirrípedes.
Os copepódos , são crustáceos microscópios constituintes principalmente dos zooplâncton. No grupo dos cirrípedes, são animais que aparecem com moluscos devido sua carapaça rígida que os envolve.
Os crustáceos superiores
É a principal ordem dos crustáceos com espécies mais conhecidas e de maior porte como o camarão e a lagosta.
O camarão
Este decápodo têm um forte cefalotórax, mostrando na região anterior um par de olhos. compostos e dois pares de antenas.
Os camarões são grandes lixeiros do mar, pois se alimentam de restos orgânicos de várias origens acumulados no fundo lodoso dos mares, especialmente na faixa litorânea.
A circulação é lacunosa. e as lacunas são celomáticas. A respiração é branquial. A excreção se faz por duas glândulas verdes, retirando excretas solúveis diretamente do celoma, eliminando-os por poros na base das antenas dois. O sistema nervoso têm gânglios cerebrais e uma cadeia de gânglios ventrais de onde partem as inervações para os órgãos.
Reprodução - Os camarões como os demais crustáceos, são de sexos separados e têm desenvolvimento indireto. Quando o abdome é reduzido chamamos de braquiuros, do contrário chamamos de macruros.
Artrópodes quelicerados
Enquanto os antenados, são representados pelos insetos, crustáceos e miriápodes, os quelicerados, que não tem antenas, são representados especialmente pela grande classe dos aracnídeos, com várias ordens.
As quelíceras são apêndices articulados, com várias formas e funções, localizados na região bucal. Podem ser inoculadores de veneno, preensores ou ainda estiletes perfurantes, para sugar sangue.
Os aracnídeos
Os aracnídeos são uma importante classe de artrópodes, com muitas espécies sendo a maioria terrestres.
Anatomia interna
Uma vez capturada a presa, os aracnídeas injetam nela seus sucos digestivos, que vão efetuar a digestão extra-intestinal, em seguida eles sugam uma pasta, alimento já praticamente pré-digerido.
A respiração é feita por filotraquéias. Cada filotraquéia é um conjunto de lâminas paralelas que têm suas faces externas em contato com o ar e a face interna banhada pelo sangue das lacunas.
A circulação é lacunosa e o coração é dorsal, abdominal.
A excreção é feita por túbulos de malpighi, como nos insetos. Há também glândulas coxais que eliminam nas pernas uma espécie de guanina e ácido úrico.
O sistema nervoso apresenta um cérebro, um anel nervoso ao redor do tubo digestivo e uma cadeia ganglionar ventral, basicamente no mesmo padrão dos insetos.
Reprodução - Os aracnídeos são animais de sexos separados e a fecundação e interna. Os aracnídeos são vivíparos ou ovíparos.
Os diplopodos e os quilópodos :

Diplopodos Quilópodos
• herbívoros
• lentos
• enrolam-se em espiral
• Secção corporal circular
• 1 par de antenas curtas
• 2 patas curtas por segmento
• sem forcípulas , sem veneno
• grande numero de segmentos • carnívoros
• rápidos
• não enrolam-se
• secção corporal achatada
• 1 par de antenas longas
• 1 par de patas longas por segmento
• com forcipulas e veneno
• pequeno numero de segmentos
Filo Molusca :
• Filo das ostras , caramujos , lesmas ,etc. A maioria vive no mar: animais de corpo mole , com ou sem concha. Concha com duas valvas nos bivalvos ; uma valva nos gastrópodes que apresentam concha e lesmas sem concha; cefalópodes( lula com concha interna, polvo sem concha e nautilus com concha externa.).
• Simetria bilateral , triblásticos , celomados , protostômios .
• 3 partes : cabeça , pé e massa visceral .
• Classes : monoplacofora, anphineura, Bivalva (ostras , mexilhoes , mariscos), Gastrópoda (caramujos, lesmas), Cephalopoda (polvo, lula, nautilus)
• Aspectos anatômicos e fisiológicos: O pé nos gastrópodes tem função de deslizar , nos cefalópodes de capturar presas, nos bivalvos cavar .
• manto : revestimento da massa visceral.
epiderme : é rica em glândulas. Concha constituída por carbonato de cálcio.
Sistema digestivo :
Completo, com hepatopâncreas: despeja secreções digestivas no estômago. Digestão extra e intracelular, com exceção dos bivalvas, que filtram seu alimento. Os gastropodes apresentam rádula na boca ,que serve para raspar o alimento. Os cefalópodes possuem mandíbulas quitinosas. Os bivalves possuem palpos labiais e estilete cristalino, localizado no ceco gástrico .
Sistema circulatório
Aberto, transporta gases e nutrientes. Composto por coração ( envolvido pela pericardia - resto do celoma ) , vasos sangüíneos e hemocelas .
Sistema respiratório :
Branquias e pulmões
Sistema excretor :
Nefrídeos .
Sistema nervoso e sensorial
Pares de gânglios unidos por cordões nervosos , os mais importantes são os cerebróides , ha também os pedais e os viscerais .

Echinodermata
CARACTERIZAÇÃO
O filo Echinodermata é composto de animais marinhos que se distinguem por uma simetria radial pentâmera, um endoesqueleto de ossículos calcários, ossículos espinhosos na superfície do corpo e um sistema de canais celomáticos e apêndices do corpo, os pés ambulacrários (sistema hidrovascular), que é usado para a nutrição e a locomoção. Em geral, os sexos são separados, a fertilização é externa e o desenvolvimento é planctônico. Existe comumente uma larva bilateral que nada e se alimenta por meio de faixas ciliadas enroladas no corpo.
A diversidade do grupo é significativa sendo divididos nas seguintes classes: Crinoidea, Holuthuroidea, Echinoidea (com as seguintes subclasses Perischoechinoidea, Euechinoidea), Ophiocistioidea, Stelleroidea (com as seguintes subclasses Asteroidea, Ophiuroidea, Somasteroidea).

STELLEROIDEA

A classe Stelleroidea contém equinodermos nos quais o corpo é composto por um disco central e braços radiais. Na subclasse Asteroidea os braços não são distintamente separados do disco central.
Os asteróides movem-se por meio de pés ambulacrários localizados dentro dos sulcos ambulacrários. Os pés ambulacrários são estendidos por pressão hidráulica gerada pela contração das ampolas bulbiformes. Em muitas espécies, ventosas nas extremidades dos pés ambulacrários permitem a fixação ao substrato.
Os braços podem ser dobrados ou torcidos permitindo á estreia-do-mar mover-se sobre superfícies irregulares, capturar presas e endireitar-se. O movimento dos braços é possibilitado por uma organização reticular de ossículos dentro da derme e por camadas musculares circulares e longitudinais na parede do corpo.
O grande celoma supre o transporte interno e evaginações da parede do corpo (pápulas) são os locais de excreção e trocas gasosas. Entretanto, as finas paredes dos pés ambulacrários constituem uma superfície adicional significativa para as trocas.
O comportamento alimentar está relacionado não apenas á dieta mas também ao comprimento dos braços. As espécies predadoras de braços curtos engolem a presa inteira. Aquelas com braços longos evertem o estômago e digerem parcialmente a presa fora do corro. Aquelas estrelas-do-mar que têm como presas moluscos bivalves, colocam o estômago entre as valvas do molusco. Algumas espécies usam o estômago evertido como um esfregão para remover material orgânico de vários tipos de superfícies. As espécies de águas profundas são comumente comedoras de depósito.
As estrelas-do-mar que habitam substrato mole possuem geralmente pés ambulacrários pontiagudos, ampolas duplas e as paxilas mantêm as pápulas limpas de sedimento. Pedicelárias, que estão restritas a certos grupos de estrelas-do-mar, atuam provavelmente na limpeza da superfície do corpo de organismos que nela se instalem.
Há usualmente duas gonadas em cada braço saindo os gametas por gonóporos interradiais. O desenvolvimento leva a uma larva bipinária na qual as faixas ciliadas estão localizadas sobre os longos braços larvais. Com a formação das estruturas de fixação, a larva é chamada braquiolária e está preparada para a instalação. Após a instalação e fixação, a larva sofre metamorfose na qual os braços larvais degeneram, o lado esquerdo torna-se a superfície oral e o corpo do adulto deriva-se da porção posterior do corpo larval.
OPHIUROIDEA

Na subdasse esteleróidea Ophiuroidea, os longos e estreitos braços são nitidamente separados do disco central. Considera-se os ofiuróides como o mais bem sucedido grupo de equinodermos. Seu sucesso provavelmente está relacionado á sua motilidade, diversidade de hábitos alimentares e pequeno tamanho. Todas estas características permitiram que os ofiuróides explorassem habitats inacessíveis aos outros equinodermos.
Os ofiuróides movem-se rapidamente saltando e impelindo-se com seus braços flexíveis. Os espinhos braquiais laterais fornecem a tração. Os braços são ocupados por grandes ossiculos (vértebras) que se articulara entre si em uma coluna horizontal. Os músculos intervertebrais são responsáveis pelo movimento. A maior parte dos ofiúros pode mover seus braços apenas lateralmente mas, nos gorgonocefalideos, a articulação vertebral permite o movimento em qualquer direção, podendo os braços ser enrolados. Os pés arnbulacrários não são usados para a locomoção.
As vértebras são cobertas por ossiculos superficiais achatados chamados escudos aos quais estão associados os espinhos. Os ossiculos vertebrais restringem o celoma a uma pequena câmara dorsal.
Correlacionada á redução do celoma o sistema hidrovascular não tem ampolas. Os canais laterais e radiais assumem a função das ampolas. O madreporito localiza-se em um dos escudos orais.
O reduzido celoma braquial restringe a maior parte das trocas gasosas a cinco pares de invaginações em forma de bolsa (as bolsas respiratórias) no lado oral do disco.
A alimentação dos ofiuróides inclui, em uma dada espécie, um ou todos os seguintes mecanismos: alimentação saprofágica recolhendo o alimento com os braços, alimentação de depósitos usando os pés ambulacrários e alimentação de suspensões usando os pés ambulacrários e filamentos mucosos estendidos entre os espinhos. Estes métodos permitem a muitas espécies alimentarem-se sem abandonar seus refúgios protetores. A principal função dos pés ambulacrários nos ofiuróides é a de coleta e transporte de alimento. Os gorgonocefalideos usam seus braços para formar um leque parabólico perpendicular à corrente de água e capturar zooplâncton com as pontas das ramificações dos braços.
As gônadas dos ofiuróides estão associadas ao lado celomático das bolsas respiratórias as quais fornecem uma saída para os gametas e servem de local de desenvolvimento para as espécies incubadoras. Nas espécies não-incubadoras, o desenvolvimento leva a uma larva ofioplúteo a qual sofre metamorfose antes de instalar-se.
ECHINOIDEA

Na classe Echinoidea, o corpo esférico ou achatado não se estende formando braços. A superfície é coberta por espinhos móveis os quais articulam-se com uma carapaça de ossículos suturados. As áreas ambulacrárias contendo os pés ambulacrários alternam-se com áreas interambulacrárias organRadas em meridianos em torno do corpo. As placas da carapaça são perfuradas para a saída de gametas e para a passagem dos canais que conectam os pés ambulacrários com as ampolas. Uma placa genital funciona como madreporito. Relacionado à presença de uma rígida carapaça esquelética está o fato de que a parede do corpo carece de uma camada muscular interna. Pedicelárias pedunculadas tridentadas dão proteção contra organismos que por ventura se instalem na superfície do corpo.
Os equinóides regulares ou ouriços-do-mar estão em geral adaptados para viverem sobre substratos firmes. Acredita-se que o corpo radial globoso provido de longos espinhos seja primitivo para a classe. Os ouriços-do-mar movem-se por meio de pés ambulacrários e impulsos dos espinhos.
A maior parte dos ouriços-do-mar alimenta-se raspando algas, organismos incrustantes e detritos de superfícies duras. O aparelho raspador é um órgão complexo composto por numerosos ossículos, cinco dos quais funcionando como dentes.
Cinco pares de evaginações orais (brânquias) atuam nas trocas gasosas.
Os equinóides irregulares estão adaptados para cavarem através de substratos moles. O corpo é coberto por um grande número de diminutos espinhos. Os espinhos são úteis, não apenas para locomoção e escavação, como também para manter o sedimento afastado da superfície do corpo. A forma grandemente achatada das bolacha-da-praia é, provavelmente, uma adaptação para escavações rasas.
Relacionando aos seus hábitos cavadores, o mesmo ambúlacro é sempre dirigido para frente e desenvolveram-se graus variados de bilateralidade secundária. Em todos os equinóides irregulares o ânus moveu-se para fora do centro aboral em direção á margem posterior ou da lúnula posterior. Nas bolachas-da-praia a boca permanece no centro da superfície oral; nos ouriços cordiformes, todo o centro oral dirigiu-se para frente.
Os equinóides irregulares são largamente comedores de depósitos. Os pés ambulacrários são utilizados para coleta de alimento (ouriços cordiformes) ou para transporte de alimento (bolachas-da-praia).Nos equinóides irregulares, pés ambulacrários aborais modificados (pctalóides) atuam nas trocas gasosas.
A larva dos equinóides é um equinoplúteo. A metamorfose ocorre mais para o final da existência planctônica e na época da instalação, mas não há um estágio fixado.
HOLOTHUROIDEA

Os membros da classe Holothuroidea distinguem-se pelo corpo cilíndrico no qual o eixo oral-aboral é grandemente alongado, pela redução do esqueleto a ossiculos microscópicos e pelos pés ambulacrários anais tentaculares.
Como conseqüência do alongamento do eixo oral-aboral, os holotúrias deitam-se de lado. Como a maior parte das espécies deita-se sobre os mesmos três ambúlacros (sola), esta postura levou a alguma simetria bilateral. Os ambúlacros ventrais nas formas bilaterais têm pés ambulacrários bem desenvolvidos; os ambúlacros demais têm pés ambulacrários reduzidos.
Algumas holotúrias são habitantes da superfície, algumas vivem sob rochas ou alojam-se em fendas, algumas cavam e outras (principalmente as formas de águas profundas) são pelágicas. Os pés ambulacrários são usados para arrastar-se e agarrar a superfície. Um grupo de cavadores vermiformes perdeu seus pés ambulacrários locomotores e se move por contrações peristálticas.
As holotúrias são comedoras de suspensões e de depósitos. A superfície tentacular coberta de muco capta partículas quando varre o fundo ou quando se estende n'água. O material celerado é removido pela ação sugadora da faringe quando os tentáculos são colocados na boca.
O sistema hidrovascular é peculiar por possuir um madreporito no celoma. Evaginações internas ramificadas da parede posterior do intestino (árvores respiratórias) são órgãos para as trocas gasosas. O fluido celomático contribuiu para o transporte interno mas muitas holotúrias possuem também um bem desenvolvido sistema hemal.
Os gametas provenientes da gônada única saem através de um gonóporo intertentacular. O desenvolvimento leva a uma larva doliolária em forma de barril. A metamorfose ocorre antes da instalação.
CRINOIDEA

Os membros da classe Crinoidea, que inclui os lírios-do-mar pedunculados e fixos e os crinóides apedunculados e livres, são os únicos equinodermos viventes nos quais a superfície oral está dirigida para cima. Esta condição também é verdadeira para a maioria dos equinodermos do Paleozóico.
A coroa dos crinóides pedunculados e apedunculados é composta de múltiplos braços ao redor de um forte cálice central, que é coberto por uma parede membranosa oral, o tégmen. O tégmen contém a boca no centro e o ânus para um lado.
A multiplicidade de braços resulta da ramificação basal de um arranjo originalmente pentâmero. Os braços possuem numerosos ramos laterais pequenos (pínulas) e a superfície oral de todos os ramos, incluindo as pínulas, contém um sulco ambulacrário ciliado.
Fortes ossículos fazem parte do pedúnculo relativamente sólido, dos cirros, dos braços e das pínulas. Fortes ossículos também estão localizados dentro da parede do cálice.
Os lírios-do-mar sésseis podem flexionar o pedúnculo e desenrolar os braços quando estão se alimentando. Os comatulídeos se fixam com os cirros e rastejam e nadam com os braços.
Os crinóides são comedores de suspensões e os pés ambulacrários, ao entrarem em contato com o zooplâncton ou outras partículas suspensas, efetuam movimentos, levando as partículas para o sulco ambulacrário. Os cílios ambulacrários transportam as partículas envoltas em muco ao longo dos braços até a boca. Os braços são mantidos como um funil ou, quando uma corrente, como um leque circular ou plano. Os múltiplos braços e pínulas proporcionam a área necessária para este tipo de alimentação.
Os gametas são produzidos nos braços, que também são os locais de incubação, quando isto ocorre. O desenvolvimento resulta em uma larva vitelária em forma de barril. A metamorfose ocorre após a instalação e fixação. Os comatulídeos passam por um estágio pedunculado (pentacrinóide) antes da coroa libertar-se.

Filo Cordata
Neste reino estão incluídos todos os vertebrados e ainda um grupo mais primitivo : Os protocordados. Os cordados são animais triblásticos, segmentados , deuterostômios e de simetria bilateral .
Protocordados : Animais cuja notocorda é persistente, assim não possuem coluna vertebral
Ex : anfioxo
Características dos cordados :
Notocorda : eixo esquelético, maciço e flexível, localizada na linha mediana dorsal do corpo. Nos cordados mais evoluídos, a notocorda estimula o crescimento da coluna vertebral.
Tubo neural dorsal ( tubo nervoso ) : O.E : Ectoderme - Dele saem os nervos, com fibras que enervam os órgãos internos e a musculatura .
Fendas Branquiais ou faringeanas : Se modificam e se transformam em pulmões ou branquias. Permitem a saída de água que entra pela boca, trazendo partículas nutritivas em suspensão.
OBS: Aparelho digestivo e derivado do respiratório. Essa região e muito vascularizada para que hajam as trocas gasosas .
Os grupos de cordados
Protocordados :
1 - Sub - filo Cefalocordata :
Representante : Anfioxo
Características: As fendas faringeanas tem função nutridora e respiratória. - A notocorda fica sob o tubo neural , paralela a ela o celoma é reduzido, ao redor da faringe fica o átrio ( grande cavidade para onde se dirige toda água que atravessou as fendas faringeanas e que será eliminada pelo atrióporo, uma pequena abertura na região ventral posterior, antes do ânus.
A musculatura é muito desenvolvida
2 - Subfilo Urocordata :
Representante : Ascídia.
Características : fixas
Corpo revestido por túnica protetora
Sifão exalante : por onde entra água que vai ate a faringe ampla, com fendas branquiais, onde ocorre a troca de gases e a aglutinação das partículas alimentares, que são passadas para o estômago por batimento ciliar. Lateralmente fica o sifão por onde sai a água, arrastando excretas e até gametas.
3 - Subfilo hemicordata :
Representante : Balanoglossos
4 - Sub - Filo Vertebrata :
1 - Classe Agnata / Ciclostomata : Lampréia e feiticeira
Animais sem mandíbula, boca circular
2 - Super-classe peixes - classes:
a) Condrictes : Peixes de esqueleto cartilaginoso. EX : Tubarão . raias , cações.
b) Osteictes : esqueleto ósseo . EX : Traíra
3 - Super-classe Tetrápoda - classes :
a) Anfíbia
b) Reptília
c) Aves
d) Mamália

Notocorda: Eixo dorsal de origem mesodérmica com a função de sustentação dos feixes musculares do embrião. De origem mesodérmica.
Associação “Notocorda” e “Coluna Vertebral” - Estimula a criação da coluna vertebral
Cordatas primitivos
A notocorda é persistente
» Protocordatos
Anfioxo:
» Não tem coluna vertebral e a notocorda é aparente desde a fase de larva até a adulta.
» Vertebrata
Lampréia
» Possui notocorda e coluna vertebral rústica.
Tubo neural dorsal: Origem ectodérmica.
Sistemática do filo Cordata
Subfilo Super classe Classe Indivíduos Características
Cefalocordatas Anfioxo Corpo alongado. A notocorda vai da cabeça à cauda.
Urocordatas Ascídia Larvas com notocorda apenas na cauda, adultos fixos, sem notocorda e cauda.
Hemicordata Balanoglosos Corpo vermiforme, muitas fendas faringeanas.
Agnata/ ciclostomata Lampreia / Feiticeira Corpo alongado, boca sugadora, com dentes córneos, raspadores.

Peixes Condríctes Tubarão, raias, cações Esqueleto cartilaginoso. Pele com escamas placóides.
Osteíctes Traíra e sardinha Esqueleto ósseo. Presença de opérculo, pele com escamas ciclóides e ctenóides.
Vertebrata Anfíbia Sapos e salamandras Pele mucosa com finíssima camada córnea.
Tetrápoda Reptilía Jacaré e tartaruga Pele seca, impermeável. Camada córnea espessa, com escamas.
Aves Pomba Pele seca, coberta por penas. Asas e regulação da temperatura corporal.
Mammalia Homem, cavalo Glândulas mamálias, pele cobertas por pêlos.


Grupos / características Condríctios Osteíctios
Escamas Placóides Ciclóides e ctenóides
Nadadeira caudal Heterocerca Homocerca
Nadadeira Pélvica Copuladoras Não - copuladora
Opérculo Ausente Presente
Arcos branquiais 5 a 7 pares 4 pares
Prega espiral Presente Ausente
Cecos Pilóricos Ausente Presente: um o mais
Bexiga natatória Ausente Presente
Reprodução Fecundação interna:
Vivíparos, ovovivíparos e ovíparos Fecundação externa:
Ovíparos

Fendas Faringeanas: Função respiratória e nutridora
Anfíbios
Justifique: “Animais de transição”
Pele desprotegida
Larva na água
Dependência da água na reprodução
Aspectos reprodutivos:
Ovulíparos ( na água)
Desenvolvimento externo e indireto
Dimorfismo sexual
Dióico
Paratóides: Glândulas de veneno
Reptilia

Justifique: “Os primeiros vertebrados verdadeiramente terrestres”
A pele tem uma camada de placas córneas de uma proteína impermeável ( queratina ) e é seca, desprovida de Glândulas
• Ovo com casca
• Há cópula
• Ácido úrico
Justificativa das cobras serem excelentes predadores:
• Faringe elástica
• Sem osso toráxico
• Musculatura desenvolvida
• Órgãos sensoriais desenvolvidos ( Focetas )
Aves

Três características essenciais para ser classificada como ave:
Pena
Bico
1° Par de membros transformados em asas.

Funções do bico:
Lacerador de carne
Captura de insetos
Peneirador de lama
Filtrador de água
Pescador
Quebrador de sementes
Sacos aéreos:
Armazenam ar
Diminuem a densidade do corpo da ave facilitando o vôo
Sistema digestivo:
Faringe, esôfago, Papo, Estômago mecânico, Estômago químico, pâncreas, Intestino, Cloaca.
Mamíferos
Anexos:
Garras, unhas, Cascos, Espinhos, Placas córneas, Cornos.
Novidades evolutivas:
» Útero
» Placenta
Ordens: Características: Exemplos:
Insectívora Mais primitivos Topeira
Edentata Desdentados Tatu, tamanduá
Carnívora Dentição: rasgar/ triturar Cachorro, leão
Proboscídea Tromba Elefante
Quiróptera Asas morcegos
Cetácea Mamíferos grandes aquáticos Baleia, Boto
Pinipédia Aquáticos, contrábios carnívoros Foca, elefante marinho
Largomorfa Crescimento constantes dos dentes, sem canino Coelhos e lebres
Rodentia Crescimento constantes dos dentes incisivos Ratos
Artiodáctila Mamíferos com casco. n° par de patas Boi, camelo
Perissodactila Mamíferos com casco. n° ímpar de patas Cavalo, anta
Primata 5 dedos, olhos no mesmo plano homem
Resumo:
Classe S. Respiratório S. Circulatório S. Excretor
Anfíbia Braquial / Pulmonar Tricavitário
( Dupla incompleta ) Mesonefron / Uréia
Reptilia Pulmonar ( seus alvéolos são muito subdivididos aumentando a eficiência ) Tricavitário
2 aurículas
1 ventrículo
1 septo mediano
( Dupla incompleta ) Metanefros/ Ácido Úrico
Aves Pulmonar / Sacos aéreos Dupla e completa Metanefros
Mamíferos Pulmonar Dupla completa
( quatro cavidades ) Metanefros / Uréia

Reino Protista

Protozoários:
Classes: Rizópoda ( pseudópodes ), Mastigophora ( flagelados ), Ciliophora ( cílios ), Esporozoa.
OBS: A classificação dos protozoários é baseada na forma de locomoção, de reprodução e de captura de alimentos.
- Cistos: forma de resistência dos protozoários.
Rizópodes:
Entamoeba histolitica : Reveste a parede intestinal , impedindo a digestão. Portanto, e um parasita. E adquirida através da ingestão de cistos . E monoxena .
Amoeba proteus : Vida livre
Entamoeba coli: Relação de comensalismo com o homem , vive no intestino . E monoxena .
Entamoeba gengivales : comensal , vive na boca , monoxeno .

Ciliophora:
Paramécio : vida livre; Vive em água doce ;.Possui dois núcleos:
- macronúcleo: controla o metabolismo da célula.
- micronúcleo: reprodução ( sexuada - conjugação / assexuada - mitose )
- Cistostoma : “boca da célula”
- Citofaringe : “corredor “
Ciliado causador de doença : Balantidium coli - parasita intestinal (contaminação : ingestão de cistos ) - balantidiose

Mastigophora:
Tripanossoma cruzi : Doença de Chagas.
Parasita do sangue e do coração .
Dois hospedeiros: homem ( intermediário) e o barbeiro (intermediário , pertence ao gênero Triatoma e a ordem dos hemipteros , espécie : Triatoma infestans ) - ele não faz reprodução sexuada em nenhum.( heteroxeno )
Localização: Destaque para o norte e leste de MG, ES , GO , BA , RJ , SP .
O Tripanossoma só faz reprodução sexuada ( divisão binaria ) .
Forma de transmissão : fezes do barbeiro , através das quais o parasita entra no corpo ( ferimentos , conjuntiva ocular ) .
Doença relacionada a ocupação da terra , O ciclo deixa de ser silvestre para ser domestico .
Formas do protozoário :
• Fezes do barbeiro : Tripomastigota metaciclica ( forma infectante ) .
• Sangue : Tripomastigota
• miocárdio : amastígota ( alta capacidade de reprodução ).
• Fases da doença :
• Aguda : 15 dias iniciais . Não ha combate , por parte dos anticorpos . Os parasitas estão nadando no sangue . Ha chance de cura . Transmissão em potencial .
• Crônica : Os anticorpos já estão prontos , mas são insuficientes . O protozoário esta fora do sangue e ha acometimento dos músculos : quadro irreversível .
• Sintomas :
• Aguda : invasão súbita do miocárdio - parada cardíaca .
• Crônica : Relaxamento da musculatura do esôfago (megeesofago) e do intestino (megacólon). Além disso há insuficiência cardíaca , cansaço e problemas respiratórios.
• Profilaxia : casas de alvenaria e combate ao barbeiro .
• Doença endêmica .

Esporozoa :
• Malária :
• Agente etimológico : Plasmodium vivax , P. malarie , P. falciforum .
• Agente transmissor : Anopheles ( prego ) , ordem : díptera , família : anophetidae . Somente a fêmea transmite a doença ( através da sua saliva ) .
• Forma do protozoário :
• Esporozoita ( entra no sangue ) ;
• Merozoita ( invade hemácias ) ;
• Trofozoita ( procurando novas hemácias ) ;
• Esquizonte ( dentro das hemácias ) ;
• Gametócitos .
• Acesso malárico ( ou acesso febril): momento da destruição de milhares de hemácias. Em reação as hemácias liberam toxinas, sendo os sintomas (tremores , febre , calafrios e sudorese ) uma reação de defesa do organismo .
Hospedeiro definitivo : mosquito
Hospedeiro intermediário : homem
Conclusão : heteroxeno
Fatores :
• desmatamento
• clima equatorial
Profilaxia :
• vacinação , tratamento dos doentes , etc.